Cinema - Borat: Fita de Cinema Seguinte - Crítica SEM SPOILERS!


Texto originalmente publicado no site Multiversos em 21 de outubro de 2020https://tinyurl.com/y2t9znk6 



Em 2006, a grande república do Cazaquistão, enviou para os Estados Unidos, o seu segundo mais gabaritado repórter, o grande Borat Sadgiyev, ou simplesmente BORAT, para que ele aprendesse os costumes do vilarejos estadunidenses e propagasse a grandeza de seu país natal. Bem… a missão de Borat foi um sucesso, ou quase. O Cazaquistão tornou-se reconhecido, mas como uma grande piada frente as nações mundiais. Furiosos, os governantes sentenciaram nosso intrépido repórter à prisão perpétua em um gulag, com direito à humilhações agressivas na região pélvica, trabalhos forçados e um corte de cabelo horrendo.

Porém, estamos em 2020. O mundo mudou e hoje a grande nação norte-americana é governada pelo laranjesco guia McDonald Trump e, assim, Borat recebe a sua nova missão: de presentear o grande governante, ou alguém próximo dele, como o vice-agarrador-pélvico dos E,U e A, Mikhael Pence, com uma bela dádiva Cazaquistanesa e, assim, resgatar a glória e o respeito perdidos desta grande nação. 

Sacha Baron Cohen (do excelente e recente ‘Os 7 de Chicago’), retorna ao seu personagem mais conhecido em Borat Subsequent Moviefilm: Delivery of Prodigious Bribe to American Regime for Make Benefit Once Glorious Nation of Kazakhstan (ou Borat, Filme Subsequente: Entrega de um Suborno Prodigioso ao Regime Americano para Beneficiar a uma Vez Gloriosa Nação do Cazaquistão, em tradução livre), filme que chega ao Amazon Prime Vídeo em 23 de outubro. Logicamente o serviço de streaming usará uma versão resumida do nome.

Dirigido por Jason Woliner e escrito por Cohen e equipe, Borat: Fita de Cinema Seguinte foi um daqueles raríssimos casos onde o filme inteiro foi feito na surdina. Cohen e sua equipe gravaram e editaram todo o filme e, com o longa pronto, começaram o trabalho de venda para estúdios e canais de streaming online. Muitos ficaram com medo de lançar o longa, até que o projeto foi abraçado pela Amazon, que atendeu um pedido de Cohen: lançar o filme antes da eleição norte-americana.

É legal ver que o filme possuí uma linha narrativa clara. Há uma “história” a ser contada aqui, já que os personagens seguem uma trama fixa, indo do ponto A ao ponto B, e há um evolução desses personagens. Dividido em uma estrutura padrão de narrativa, o filme consegue manter um bom ritmo, com um excelente primeiro ato, um bom segundo ato e uma conclusão divertida, e tem até uns bem sacados plot twists no roteiro. Mesmo as partes mais “dramáticas”, que são mais fraquinhas, conseguem arrancar boas risadas e funcionam na trama. 

Na parte técnica, a trilha sonora é eficiente em realçar todo o clima burlesco que a trama tem, mesmo com a fotografia sendo efetivo em manter o clima de obra documental. Há diversos momentos em que dá para se perguntar o porquê do figurino apostar pesado no escracho e no bizarro, mas esses questionamentos passam rápido ao constatarmos que os Estados Unidos possuem um histórico de indiferença e tolerância ao que é mambembe e, a partir disso, a equipe do filme consegue colocar em Borat um monte de visuais diferentes, que tornam-se hilários dentro das situações em que eles são apresentados.

Indo ao que interessa: As piadas. Cohen, como todo bom comediante deve ser, está antenado à situação dos Estados Unidos e do mundo em geral. Sem entregar detalhes, eu só posso dizer que nada e nem ninguém foi poupado. As piadas de Borat seguem a linha do pseudodocumentário (mockumentary no inglês), apostando na reação dos entrevistados e participantes, buscando a autenticidade plena.

Cohen não hesita em enfiar os dois dedos nas feridas que a atual sociedade americana possuí, e que também reverberam no nosso mundo globalizado, graças ao texto ultra ácido. O roteiro sabe as horas certas de aumentar a zoeira e quando deixa-la sutil. As galhofas do longa incomodarão uma parcela dos espectadores e, sim, isso é intencional.

Cohen já interpreta o Borat com as mãos nas costas, agindo praticamente como uma persona incorporada e alucinada no ator e, mesmo assim, ele consegue aqui adicionar mais camadas ao personagem. Consegue também utilizar de um humor físico invejável e muitas vezes arriscado, pondo a própria vida em risco — e eu sempre fico impressionado como ele sustenta o personagem até as últimas consequências. Aqui também há a adição da talentosa Maria Bakalova, fazendo Tutar Sagdiyev, a filha de Borat, que acaba acompanhando o pai na sua missão nos E,U e A e embarcando pesado na sua personagem.

Borat: Fita de Cinema Seguinte acerta em cheio no humor ácido, corrosivo e sem pudores. Sacha Baron Cohen ataca todos os seus alvos, trazendo para o olhar do grande público os discursos desses grupos, sob a ótica da comédia. Eu ri horrores e adorei cada segundo do longa, e fiz o que grandes comédias sociais também propõem: refleti sobre o nosso tempo.

Borat: Fita de Cinema Seguinte chega à Amazon Prime Video em 23 de outubro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinema- O Esquadrão Suicida - Maior, Melhor e Sem Limites!

O Bem, o Mal e a X-Force

HQs - HERÓIS RENASCEM (Heroes Reborn) - A ousada cartada da Marvel nos anos 1990!!!